• Categorias
  • The Latest Style
  • Arquivos

ME MACHUQUEI. E AGORA?

Recentemente, estava em casa, o telefone tocou e, quando me virei para atender, meu joelho estalou feio e veio uma dor insuportável. Imaginei que botando gelo e descansando um pouco fosse melhorar. #SóQueNão. E logo quando me preparava para mais uma ultramaratona!

Fiz a ressonância, e o resultado deu indicação cirúrgica. Pensei em deixar para fazer a cirurgia depois da prova, já que faltava pouco mais de um mês, mas conversando com meus ortopedistas e amigos, Marcos Zalcman e Roberto Nahon, e com outro amigo, o professor Renato Meireles, ficou claro que a decisão mais acertada era entrar na faca o quanto antes.

Foi o que fiz. Operei num dia e pouco tempo depois já estava na sala de musculação. E, em mais uns dias, fui para o transport. Mais outros dias, escada e… finalmente fui correr na rua.

Logo que comecei a correr, uma forte dor me fazia mancar e, independente do esforço e concentração, não conseguia manter uma mecânica correta. Assim, faltando menos de um mês para a prova, todo o planejamento virou pó. E com o pó, a insegurança e o banho de água fria. Será que todo o preparo e esforço investido vão por água abaixo? Não!

Assim como nas ultras, durante a recuperação, a determinação, o foco e a motivação são fundamentais. Muitas vezes, mais importantes que os aspectos físicos.

Meu treinamento passou a ser correr na piscina. A pequena piscina de hidroginástica se tornou meu local de treinamento e meu playground. Foi lá que dei milhares de voltas, procurando mentalizar situações de prova que já tinha participado e locais visitados, me transportando para a corrida que viria, com um sorrisinho de contentamento e me divertindo, testando movimentos que pudessem me preparar para a corrida, mas na velocidade de um astronauta.

Também busquei textos e livros motivacionais e inspiradores. Por exemplo, o Osho, que é um de meus autores prediletos. E me dediquei a caprichar ainda mais no planejamento e logística da prova.

Fui para a prova ainda inseguro, levei vários remédios para dor e, para minha surpresa, não usei nenhum e pude redescobrir a corrida sem dor.

No fim, deu tudo certo. Sempre dá! É sempre importante conversar com seu médico para saber como proceder. Como estou sempre me exercitando, esta preparação funcionou. E eu tinha o apoio dos meus médicos. E vocês? Têm alguma história de superação envolvendo lesões?Compartilhem com a gente.

Abraços e bons ventos!

  • é professor de Educação Física e empresário. Participa de provas longas de corrida de aventura desde 2003 e de ultramaratonas desde 2007, entre elas, a corrida de aventura na Patagônia Chilena, com 1.112km. Mauro Chasilew

Você pode gostar

Diferença entre um travesseiro técnico versus um travesseiro básico

DIFERENÇA ENTRE UM TRAVESSEIRO TÉCNICO VERSUS UM TRAVESSEIRO BÁSICO DE MONTANHA. Se liga na ...

Ultramaratonista carioca Mauro Chasilew participa da primeira edição da PT281+

O carioca Mauro Chasilew, de 46 anos, tem várias ultramaratonas no currículo, como todas ...

VEJA DICAS PARA ESCOLHER CALÇADOS E MEIAS PARA PRATICAR ESPORTES

Muita gente me pergunta sobre como escolher o calçado ideal para participar de ultramaratonas. ...