• Categorias
  • The Latest Style
  • Arquivos
  • Recent Review

    Minha 12ª Brazil135+. Por que tantas vezes?!

    Muitos me perguntam o porquê de correr tantas vezes essa prova. Afinal, existem tantas outras provas pelo mundo que valham a pena.

    Vamos lá… 2007 foi um divisor de águas. Em janeiro corri minha primeira ultramaratona e em fevereiro, participei da maior corrida de aventura já realizada no mundo, a Patagonia Expedition Race, na Patagônia chilena, com 1112km a serem percorridos em até 14 dias, utilizando mapa e bússola, remando, pedalando e correndo/trekking.

    A Patagônia é um capítulo à parte. Aliás, considero que minha vida está dividida em aP e dP. Antes e depois da Patagônia.

    Já a Brazil135 Ultramarathon me apresentou um esporte novo e com características bem interessantes. A prova não tem premiação em dinheiro. O primeiro colocado recebe a mesma camisa de finisher e medalha que os outros competidores que terminam a corrida dentro do tempo limite.

     

    Esse detalhe, sozinho, já faz toda a diferença. Que tipo de pessoa se propõe a correr duzentos e tantos quilômetros pelas montanhas?! A resposta está nas pessoas que se apaixonaram pelas corridas. As mais longas possíveis.

    E mais que isso: existe um ambiente de companheirismo e auxílio entre atletas e equipes de apoio que eu ainda não tinha visto em nenhum outro esporte.
    imagen

    Nessa minha primeira participação, em 2007, me lesionei e quase não conseguia andar. Além do esforço óbvio para continuar, a força dada pelos novos amigos do Caminho me impulsionaram até a linha de chegada.
    imagen

    Pessoas como Manoel Mendes, Mario Lacerda, Rodrigo Cerqueira, Sergio Cordeiro, Marcelo Giannotti, Henrique Vieira, Áureo Adriano e seu irmão Rodrigo, só para citar alguns, fizeram toda diferença para mim. E ainda fazem!

    Por isso, a cada ano, faço questão de estar de novo e de novo na Brazil135+.

     

    É uma ótima forma de começar o ano me lembrando do que me trouxe até aqui e para onde espero que esse novo ciclo me leve!

    Possamos ir cada vez mais longe.

    Um forte abraço e bons ventos.

    Mauro Chasilew
    mauro@ontherocks.com.br